Blog

AUTISMO: Como Identificar Os Primeiros Sinais

Geralmente, alguns sinais de Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) podem ser percebidos nos primeiros anos de vida de uma criança, já que é nesse período, que interações sociais são mais frequentes, entretanto, outros sinais podem ser perceptíveis somente na adolescência ou na vida adulta.

O que é?

O autismo – Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) – é uma síndrome neurológica caracterizada pelo déficit na capacidade de comunicação, interações sociais, e comportamento, pode surgir no nascimento ou no começo da infância.

Dentre os principais sintomas estão: dificuldades de falar e no modo de expressar ideias e pensamentos, não gostar de interagir, agitação e repetir movimentos.

Vale lembrar que estes sinais não são suficientes para obter um diagnóstico de autismo, é importante que a criança seja avaliada por uma equipe médica.

Causas

Ainda não se tem total conhecimentos das causas do TEA, entretanto, as pesquisas cientificas concentram seus esforços nos estudos genéticos. Fatores relacionados a heditariedade estão diretamente relacionadas ao autismo, mas não são os únicos, fatores ambientais que afetam diretamente o feto na gravidez, como, complicações na gestação, estresse, infecções, exposições a substâncias tóxicas, irregularidades no metabolismo, possuem grande influência no surgimento desse transtorno.

A Revista Autismo e Realidade citou os principais sinais que são indícios importantes de serem observados:

Alterações sociais:

  • Resiste aos carinhos; vira-se de costas ou se afasta;
  • Faz pouco ou nenhum contato com o olhar;
  • Mostra pouca ou nenhuma expressão em resposta ao sorriso da mãe ou do pai;
  • Pode evitar seguir o olhar ou acompanhar o dedo de um adulto que está pai está apontando;
  • Não aponta para objetos ou eventos para mostrar ou chamar a atenção dos pais;
  • Raramente traz objetos para mostrar com o intuito de compartilhar o seu interesse;

Os primeiros sinais do TEA:

  • Raramente mostra expressões faciais apropriadas à situação vivenciada;
  • Dificuldade em reconhecer o que os outros podem estar pensando ou sentindo ao ver as suas expressões faciais;
  • Menos propensos a demonstrar preocupação (empatia) com os outros;
  • Dificuldade em estabelecer e manter amizades.

Alterações de Comunicação:

  • Demora para iniciar a falar. Aos 18 meses, uma criança com TEA pode não fazer tentativa alguma para compensar o atraso da fala (com gestos ou expressões faciais) ou pode se recusar a falar;
  • Pode repetir exatamente o que os outros dizem, mas sem compreender o seu significado (repetição ou ecolalia);
  • Responde aos sons (como uma buzina de carro ou miado de um gato), mas são menos propensos a responder quando chamado pelo nome;
  • Pode referir-se a si mesmo como “você” e aos outros como “eu” (inversão pronominal);
  • Raramente inicia ou mantém uma conversa;
  • Menos propensos a usar brinquedos ou outros objetos para representar pessoas ou a vida real em brincadeiras;
  • Pode ter uma boa memória, especialmente com os números, músicas, jingles de TV, ou um tópico específico.

Alterações Comportamentais

(Estereotipados, repetitivos e padrões restritos)

  • Pode balançar o tronco, fazer rotação, girar os dedos, ou bater as mãos (comportamento estereotipado);
  • Gosta de rotinas, ordem e rituais;
  • Pode ser obcecado com algumas atividades, fazendo-as repetidamente durante o dia;
  • O mais provável é que brinque com partes de brinquedos em vez de usar o brinquedo todo (por exemplo, rodas de um carrinho);
  • Pode ter habilidades dissidentes, como a capacidade de ler em uma idade precoce, mas muitas vezes sem entender o que isso significa;
  • Não chora quando sente dor ou parece não ter qualquer medo;
  • Pode ser muito sensível ou insensível a estímulos sensoriais: cheiros, sons, luzes, texturas e toque;
  • Pode fazer uso incomum da visão, como por exemplo, olhar para os objetos a partir de ângulos incomuns;
  • Pode ter interesses incomuns ou intensos, mas restritos.

Fontes:

Revista Autismo e Realidade

Tua Saúde

Revista Autismo